• Centro Nacional de Educação

Tecnologia ou Metodologia?


Este é um vídeo criado há mais de 13 anos, que trata da introdução do computador em sala de aula, o que deveria ter ocorrido há pelo menos 20 anos atrás...

Hoje, temos tecnologias bem diferentes daquelas, que também raramente são vistas em sala de aula. Este vídeo torna-se atual novamente, nesse tempo em que há a necessidade de se trabalhar com todos os alunos à distância: os da educação infantil, os dos ensino fundamental, os do ensino médio e os do ensino superior.

Observa-se, no trabalho realizado em algumas escolas para as aulas à distância nesse período de quarentena, a mesma metodologia de sala de aula: listas de exercícios e aulas expositivas, isto é, a mesma atitude tomada pela professora do vídeo com os alunos dela. Poderíamos aproveitar este momento para modificar o ensino e trazer metodologias ativas para as aulas, deixando-as mais atraentes e mais eficazes para a construção do conhecimento pelo aluno.

Um exemplo que podemos trazer é a utilização de softwares de geometria dinâmica em substituição às intermináveis listas de exercícios. Em particular, podemos citar o GeoGebra, um software livre, com versão para smartphone, no qual se pode construir figuras geométricas e estudar geometria com dinamismo e visualização. As propriedades geométricas "saltam aos olhos", e podem ser descobertas pelos alunos. Além disso, o uso do aplicativo permite que eles criem um ambiente colaborativo, possibilitando discussão, análise e colaboração entre os pares e a construção de conhecimento por eles, ao invés de simplesmente compartilharem resoluções prontas dos exercícios. Mas não se esqueça de que é preciso que o professor elabore cuidadosamente a atividade para que isso ocorra.


Os alunos estão em uma situação atípica para eles também. Por mais que eles estejam acostumados a usar a tecnologia, eles o fazem de maneira espontânea e a partir de seus próprios interesses. Eles se comunicam naturalmente via aplicativos, mas também têm uma rotina de ir para a escola e ter contato com o professor e os colegas para o aprendizado. É importante que eles se sintam acolhidos nessa nova maneira de estudar, e que tenham possibilidades de conversa com os colegas e professores para a realização das atividades. Uma aula à distância não significa que eles trabalharão sozinhos e nem que os pais serão os professores deles. Pais não são qualificados para ensinar e nem para avaliar. Os professores são os profissionais adequados para isso. Uma aula à distância significa possibilidade de criação conjunta, com grupos de alunos refletindo juntos, mesmo que em locais físicos diferentes.

É também importante lembrar que os alunos estão em casa, e que eles não têm uma rotina clara em casa como têm na escola. Ela deve também ser imposta pela atividade escolar. Mas não é o excesso de atividades que ditará essa rotina, mas a organização das atividades.

Ao invés de apresentar um texto aos alunos, introduza um vídeo, e faça com que eles reflitam sobre a situação apresentada no vídeo. Pode-se fazer uma "live" (um momento em que alunos e professor estejam juntos online) para discutirem esse vídeo. O professor organizará essa seção para que ela tenha o tempo de uma aula, de forma que não seja cansativa para o aluno. O texto pode complementar essa atividade para depois, uma reflexão mais profunda pelo aluno.

Uma das metodologias ativas muito utilizadas ultimamente é a sala de aula invertida (flipped classroom). A ideia é a de que os alunos estudem antecipadamente o que será discutido em sala de aula. Assim, lance um desafio a seus alunos. Peça que eles busquem erros gramaticais em músicas que eles gostam. Eles devem explicar o porquê do erro e como seria a forma correta. Pergunte também se eles seriam capazes de "consertar" a letra e ainda fazer com que rime! Se preferir, defina claramente o tipo de erro que eles devem buscar. Essa é uma atividade que aproveita o interesse deles e que pode ser feita anteriormente à aula. Peça que eles compartilhem as letras das músicas entre eles no ambiente virtual, que estudem as letras dos outros para identificarem os erros encontrados pelos colegas, e depois façam uma discussão com eles sobre as regras gramaticais envoltas na correção dos erros. Ao final, deixe-os cantar em conjunto uma das músicas. Grave esse som e envie a eles!

Atividade similar pode ser feita em aulas de Inglês, mas, ao invés de solicitar que eles busquem erros gramaticais, o que pode ser mais complicado para eles, que busquem palavras novas nas letras de músicas. Solicite que cada aluno (ou grupos de alunos) escolha uma música que gosta para transcrever a letra enquanto ouve. Envie você também uma música para que ele transcreva. A primeira música permitirá que você conheça os gostos musicais de seus alunos e os aproveite em outros momentos. A música que você escolher pode conter elementos do conteúdo trabalhado em sala de aula ou durante a quarentena, colaborando para a compreensão pelo aluno.

Professor, não se esqueça de que a avaliação também é bem diferente à distância. De fato, ela deveria ser bem diferente presencialmente também... A avaliação formativa é importante em todo o processo de aprendizagem, pois avaliando corretamente e constantemente, conseguiremos elaborar atividades mais eficazes.

Deixe seu depoimento em nossos comentários. Conte-nos como é o trabalho em sua escola e quais as dificuldades que você tem enfrentado atualmente. Ficaremos felizes em colaborar.

63 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo